A maior diferença cultural entre mim e meu marido alemão | Der größte Kulturunterschied zwischen meinem Mann und mir


Conversando com o maridão acerca das nossas férias de verão deste ano, me lembrei das nossas férias de 2011, que me marcaram de uma forma bastante negativa para sempre (rsrsrs). Entenda por quê:

A Alemanha tem praia (veja aqui um artigo detalhado que escrevi sobre o tema). Com certeza, o litoral alemão não tem nada a ver com os nossas praias no Brasil, mas também tem os seus encantos:

EDC_EstacoesdoanoAlemanha6

EDC_PraiaAlemanha_10

Ir passar férias na região da Ostsee (“Mar Báltico”) ou da Nordsee (“Mar do Norte”) pode ser bastante relaxante, mas o problema é que o tempo é bastante instável: Há ventos fortes e gelados, sendo que a temperatura média dos meses de verão não passa dos 20, 21 graus. E, para completar, a probabilidade de chuva é alta…

Em julho de 2011 fui pela primeira vez à região da Ostsee. O maridão e eu planejamos bem felizes nossas férias e o que fazer nos nossos dez dias lá. Até aí, tudo bem… O problema foi que choveu sem parar os quatro primeiros dias e a temperatura não passou dos 15/16 graus! Imaginem o meu bom humor (#sqn!)… Eu fiquei arrasada de estar na praia, doida para pegar um sol e uma corzinha, olhando a chuva cair e sentindo frio… Meu marido ficou sem entender o meu mau humor e usou um ditado alemão para me explicar que nem tudo estava perdido: Es gibt kein schlechtes Wetter, nur schlechte Kleidung (Tradução: “Não existe tempo ruim, apenas roupa ruim (inapropriada)”.
Daí fomos nós, de casaco e guarda-chuva, para a praia para dar um passeio… Resumindo: Foi o pior passeio da minha vida! E eu olhava para todos aqueles turistas alemães, famílias inteiras caminhando sob chuva e vento, e não tinha ninguém reclamando – só eu! Fiquei impressionadíssima com o que vi…

No quinto dia da nossa viagem, parou de chover e eu fiquei mais animadinha, mas desde então meu marido e eu combinamos que não vamos  mais passar nossas férias de verão no norte do país (lutei por esse “direito”!)…

Não me entenda mal, eu não tenho nada contra em ir passar férias na região de praia da Alemanha. Prezo a paisagem típica de lá, o estilo marítimo, os passeios de bicicleta de uma cidadezinha fofa à outra… Mas acho que nunca vou me acostumar com o risco de ir para lá no verão e voltar para casa sem ter entrado no mar (a água é geladíssima) e ter vestido mais minha capa de chuva do que meu biquíni:) A forma de lidar com tempo ruim (chuva, frio, vento…) nas nossas férias de verão é, definitivamente, a maior diferença cultural existente entre mim e meu esposo! Isso porque ele, como bom alemão, aprendeu desde pequeno a encarar qualquer tempo de bom humor…

E você, o que acha desse famoso ditado alemão que citei acima? Já não se importa com tempo ruim ou não consegue se identificar com os alemães nesse sentido, assim como eu? Conte-me!!!

Até a próxima,
Rode


Weil mein Mann und ich vor ein paar Tagen auf das Thema „Urlaub“ zu sprechen kamen, und er tatsächlich so was sagte wie Wir könnten an die Ostsee fahren, wurde ich an einen  für mich eher unschönen Urlaub erinnert:

Juli 2011: Wir hatten zehn Tage eingeplant und sind an die Ostsee gefahren. Für mich war es das erste Mal überhaupt dort. Ich war neugierig zu erleben, wie man in Deutschland am Strand so den Tag genießt. Doch vom Strand habe ich lange nichts gesehen! In den ersten vier Tagen hat es komplett durchgeregnet, die Tage waren grau und trist – und das in meinem Sommerurlaub! Meine Laune war dementsprechend im Keller, schließlich hatte ich mit Sonne, Strand und Hitze gerechnet.

Es gibt kein schlechtes Wetter, nur schlechte Kleidung

Mit diesem megadeutschen Sprichwort versuchte mein Mann mir zu erklären, dass nicht alles verloren sei. Da haben wir unsere Jacken angezogen, die Regenschirme geschnappt und sind zum Strand gelaufen. Ich habe ihn dabei gehasst (*grins*) und dachte die ganze Zeit an die Copacabana:) Was mir bei meinem verregneten und kalten Spaziergang imponiert hat, war aber die Tatsache, dass alle um mich herum sich mit dem Schietwetter arrangiert hatten und – wie es so schön heißt – das Beste daraus machten… Bemerkenswert, dachte ich, doch ich persönlich komme einfach nicht damit klar!

Am 5. Tag unseres Urlaubs hörte dann der Regen auf, die Sonne kam sogar raus… Da war die Welt für mich wieder in Ordnung. Es folgten – immerhin – drei ganze Tage am Strand, die nun ja, ganz nett waren, auch wenn das Wasser so kalt war, dass ich keine ganzen fünf Minuten drin ausgehalten habe.  Das hat aber unseren Urlaub gerettet… Seitdem haben mein Mann und ich abgemacht, dass wir unseren Sommerurlaub nicht mehr an der Ostsee verbringen. Versteht mich nicht falsch, es ist ganz toll dort. Doch so schön wie die Ostsee auch sein mag: Das Risiko, dass der Badeurlaub dort buchstäblich ins Wasser fällt, ist mir einfach zu hoch!

Als mein lieber Mann sich vor ein paar Tagen tatsächlich getraut hat vorzuschlagen, dass wir unseren diesjährigen Sommerurlaub wieder an der Ostsee verbringen, habe ich ihn einfach daran erinnert: Ich bin Brasilianerin, komme aus Rio (!!!) und habe im Sommer an der Ostsee nichts verloren… :)

Die Art und Weise, wie wir auf schlechtes Wetter (v.a. im Sommerurlaub!) reagieren, ist definitiv der größte Kulturunterschied zwischen mir und ihm…

Habt ihr mit Brasilianern zu tun und habt vielleicht ähnliche Geschichten erlebt? Dann freue mich mich,  eure Berichte zu lesen…

Bis bald,
Eure Rode
—————————
Blog: www.entre-duas-culturas.de
Facebook: https://www.facebook.com/entre.duas.culturas
Instagram: @entre_duas_culturas
Twitter: @entre2culturas

Veröffentlicht von Rode

Brasileira, residente na Alemanha, docente universitária e blogueira apaixonada por idiomas e viagens | Brasilianerin in Deutschland, Uni-Dozentin und Bloggerin mit einer großen Leidenschaft für Sprachen und Reisen

21 Kommentare

  1. VENHAM PARA AS PRAIAS BRASILEIRAS! Ou, na impossibilidade, para algum país mais quentinho na Europa kkkkk.

    Foi a primeira frase que passou pela minha cabeça ao ler sua decepção em passear na praia toda encapotada e com guarda chuva. Bem difícil para uma brasileira aceitar esta diferença cultural, super te apoio e te entendo!! ;-)

    • Rode, infelizmente ainda nao fui conhecer as praias no norte da Alemanha. Acho que meu marido esta me poupando essa decepcao, porque ele mesmo prefere ir pro calor no verao. Mas fomos passar três semanas na Escocia, por curiosidade e espírito de aventura. Era pra fazer uma média de 20 graus, mas acho que só chegou a fezer isso nos três primeiros dias. Depois foi baixando e ficou pelos seus onze graus (em Agosto). Precisei comprar mais um pulover e uma jaqueta por lá… Tinha jardins lindos com mesas do lado de fora, mas um frio! Daí ficou a nossa brincadeira: „Deve ser muito legal aqui no verao…“

      • Hahahaha, essa foi boa, Ana!
        No verão, eu também quero ir para lugares quentes, nada de praia na Alemanha ou outros lugares gelados…rsrs
        Abraços*

  2. Olha, Rode, sou igualzinha a você. E pasme: existem muitos alemães que são iguaizinhos a nós duas. Não aceitam marcar férias de verão no Mar do Norte, nem no Mar Báltico, nem na Dinamarca, Suécia ou lugares acima de um determinado paralelo. São estes que fazem questão absoluta de ir para o sul europeu, ou qualquer outro lugar do planeta que lhes dê certeza de sol e calor. Você afirmou que não tinha ninguém reclamando. Você não ouviu seu marido reclamar, mas isso não significa que não havia outros alemães xingando horrores. Acho que uma, talvez a segunda, maior diferença cultural entre eles e nós, é que eles não gostam de dar o braço a torcer (os homens são piores nisso), não gostam de deixar que os outros percebam suas derrotas e adoram bancar os fortes e sábios, porque são movidos a um orgulho ímpar. Pergunte aos jovens alemães que trabalham e pagam suas férias por que motivo nunca passam férias longas na Alemanha. Você deixará de ficar impressionada com o que viu no Ostsee, porque lá é lugar de velho e de famílias com crianças que querem economizar o dinheiro do avião. Da próxima vez que quiser ir para aquelas bandas, não planeje férias tão grandes e nem com antecedência. As viagens surpresa são as melhores naquela área. Olhou a previsão do tempo na quinta, viu que o tempo vai bombar no sábado e domingo, reserve um hotel nos sites legais, faça as malinhas e vá aproveitar o ar marítimo. Assim é dez! Beijo

    • Claudia, valeu pela dica. Não sou muito „praiana“ mas sou louca por conhecer aquela região.

      • De nada! Só posso recomendar, mas que seja viagem improvisada. Não esqueça de olhar a previsão do tempo para a cidade que pretende visitar, porque a costa é longa e o tempo nem sempre está bom nela toda. Divirta-se!

    • Obrigada pela dica, Claudia:)
      Esse orgulho do qual você falou eu conheço um pouco, sim… rsrsrs
      Abraços,
      Rode

  3. Olá Rode!
    Se eu soubesse que é um lugar que chove muito e o que eu pretendo é pegar um sol e tomar um bom banho de mar, eu realmente não iria mais para esse lugar no verão. No entanto, acho uma coisa interessante com relação e esse comportamento dos alemães. Que é o de saberem apreciar o passeio mesmo com o tempo ruim. Acho isso positivo.
    Abraços,

  4. Adoro este ditado, meu marido alemão sempre me falava, só que agora que moramos na Alemanha, o feitiço caiu contra o feiticeiro. Porque ele se adaptou muito ao tempo brasileiro e reclama demais agora no inverno aqui, e eu sempre uso o ditado. A brasileira sofre menos com o inverno alemão do que o próprio alemão. Rsrs.

  5. Desde que me mudei para a Alemanha, sinto pelos relatos de brasileiros que sou mais parecida com os alemães. Concordo com o ditado acima. Pra mim não tem tempo quente pra nada. Adoro o clima, amo inverno e não me importo com expectativas frustradas. Eu que não conhecia nada sobre a Alemanha tenho me identificado muito com o comportamento deles. Bjus Rode!?

  6. Kkk .. consigo entender você .. por outro lado chegamos aqui há pouco tempo e meu filho está super curioso pra ir a praia de blusa kkk ( Kinder!) e estamos programando uns dias na região para também obter essa experiência no mínimo diferente ?… adoro seus textos !!

  7. Eu nunca tive vontade de ir para o Nordsee ou o Ostsee por isso. Água fria, tempo instável etc. Já fiz férias com meu marido e meus filhos na Dinamarca e foi a mesma coisa. Nunca mais voltamos lá! Kkkkkkkkkkkkkkkkk

  8. Oi Rode! Tudo bem? Excelente post! Ri muito das suas férias! Tenho certeza que muita gente, mesmo aqui no Brasil, já passou por isso! Acho que sigo esse ditado a risca, adoro um bom frio, mas dias mais quentes também são bem vindos, desde que não seja aquele calor de 50º na sombra, porque aí ninguém merece! Espero que você consiga um dia pegar uma praia sem chuva! Abraços!

    • Obrigada, Thyana!
      Minhas próximas férias serão na Espanha – para garantir o sol e o calor… hehehe
      Abraços*

  9. Isso pode acontecer em qualquer lugar. Ano passado fizemos férias em Recife e choveu torrencialmente metade do tempo.
    Eu particularmente gosto desse ditado alemão. As crianças aprendem a conviver com as condições climáticas desde pequenos.
    Eu adoro o mar do Norte (Sylt)!

    • Verdade, Maria! Isso realmente pode acontecer em qualquer lugar…
      Também gosto muito das praias da Alemanha, desde que a gente não vá lá no verão:)

Schreibe einen Kommentar

Pflichtfelder sind mit * markiert.