Aprendendo a lidar com a franqueza dos alemães | Die direkte Art der Deutschen



Bom dia a todos! Temos um dia cheio de negociações, e penso que devemos ir diretamente ao ponto. Minha sugestão é a seguinte –
Esta saudação você escutará, muito provavelmente, numa reunião na Alemanha… Os alemães se comunicam de forma clara e objetiva, o que pode vir a assustar a quem não conhece a cultura.
Como moro na Alemanha há muitos anos e sou casada com um alemão que é, digamos, um bocado sincero, gostaria de dividir com vocês algumas observações que pude fazer nos últimos anos, e espero que minhas dicas possam ajudar a evitar mal-entendidos entre brasileiros e alemães. Vamos lá:

Não se assuste quando ouvir um claro não de uma alemão: Estando na Alemanha, você escutará com pouca frequência a palavra talvez (em alemão: vielleicht). Há duas respostas possíveis a uma pergunta: ja ou nein (sim ou não). A maioria não tem problema algum em falar abertamente sobre seus limites e suas necessidades pessoais nem em dar um não como resposta. Mas obter uma resposta negativa por parte de um alemão não significa que ele não goste de você nem que não dá valor à amizade de vocês. Ele apenas está sendo sincero porque sabe que não poderia cumprir algo que prometesse naquele momento. Para ler mais sobre o assunto, clique aqui.

Se você fizer a pergunta Wie geht´s? a um alemão, corre o risco de ouvir a verdade – TODA a verdade: Muitas vezes, fazemos a pergunta Como vai você? e, sejamos sinceros, a resposta esperada é algo do tipo Tudo ótimo, não é mesmo? Pode ser que, ao fazer essa pergunta a um alemão, ele comece a contar tudo o que ele tem passado (de bom e ruim!) nos últimos tempos. O que se passa na cabeça dele é o seguinte: Bom, se ele/ela está perguntando, é porque realmente está interessado/a em saber como estou… Simples assim:)

Não ofereça nada a um alemão apenas por educação ou cortesia: Na primeira viagem do meu marido ao Brasil, nós ficamos hospedados na casa de conhecidos por uns dias. Numa determinada ocasião, o maridão estava assistindo a um DVD em português na sala. Daí chegou a anfitriã e disse: Você gostou do DVD? Pode levar, se quiser… E o que o maridão fez? Sem fazer cerimônia alguma, agradeceu pelo presente, foi lá, pegou o DVD e guardou na mala naquele mesmo instante! Quase morri de vergonha!!!!!! Provavelmente, a dona da casa quis ser educada ao oferecer o DVD para ele, mas não deve ter imaginado que ele realmente aceitaria… Até hoje rimos daquela situação, e meu marido me diz: Não sei por que você ficou tão envergonhada. Ela me ofereceu e eu simplesmente aceitei… (rsrs)

Se um alemão lhe oferecer algo, não faça cerimônias para aceitar: Se te disserem Vem, sente-se aqui com a gente. Quer comer um pedaço de bolo também? Não dê bobeira e diga logo Ja, gern (português: Sim, quero; com muito gosto). Muitas vezes, ficamos envergonhados e, mesmo famintos, dizemos Não, obrigado, mas torcendo para que ofereçam de novo (quem nunca?!rsrsrs). Se não quiser correr o risco de ficar com fome, aceite logo de primeira e seja feliz:) Os alemães são muito desencanados e descomplicados no quesito comunicação. Eles não ficarão nem um pouco constrangidos em comer enquanto você os observa, afinal eles já fizeram a parte deles oferecendo um pedaço a você uma vez:)

EDC_Bolo_Aniversariante

Os alemães não sabem o que é jogar verde: Nós brasileiros adoramos fazer insinuações e dar indiretas na esperança de que a pessoa com quem estamos conversando entenda o que queremos dizer. No início do meu namoro/casamento, tive muitas decepções com o maridão porque ele nunca entendia as minhas indiretas. E quantas vezes ele me disse Me diga claramente o que você quer ou espera de mim e eu vou te dizer se posso corresponder às suas expectativas. É claro que essa resposta dele soava como uma grosseria aos meus ouvidos. Mas com o tempo, aprendi a dizer beeeem direitinho o que eu quero (e o que não!)… Expresse-se de forma clara e direta ao conversar com um alemão e sua mensagem será entendida:)
Obs.: Esse ponto tem muito a ver com a comunicação entre homens e mulheres em geral também!

Quando um alemão faz uma crítica, isso não significa que ele tenha algo contra você: Pode ser que um vizinho seu bata na sua porta e reclame do barulho que você está fazendo (tarde da noite ou num domingo). Daí você fica chateado com ele, e totalmente confuso quando ele, no dia seguinte, te dá um super Guten Morgen (“Bom dia”), como se aquela reclamação não tivesse existido. Nesse ponto, eles também são bem descomplicados. O fato de que um alemão tenha reclamado com você de alguma coisa, não significa que ele tenha algo contra você, apenas contra algo determinado que você fez que o incomodou. Entendeu? (rsrs)


É claro que sinceridade não significa grosseria. A verdade pode (e deve) ser dita de forma gentil e cuidadosa. Se você já passou por uma situação desagradável com um alemão nesse sentido, saiba que nem todos têm tato na hora de falar a verdade. Mas acredito que isso não seja um problema somente dos alemães, e sim do mundo todo. Espero que este artigo ajude a muitos brasileiros e alemães em sua comunicação!

Caso você tenha outro ponto de vista sobre o tema ou algo que escrevi aqui, sinta-se à vontade para fazer uma crítica construtiva e de forma respeitosa:)
Deixe nos comentários sua opinião e experiências relacionadas ao assunto!

Abraços e até a próxima,
Rode


Ein Meeting in Deutschland könnte mit folgender Begrüßung beginnen: Guten Morgen, allerseits! Wir haben heute einen langen Verhandlungstag vor uns, und daher sollten wir gleich zum Punkt kommen. Unser erstes Thema ist… Es ist kein Geheimnis, dass die Deutschen gern direkt und ohne Umschweife kommunizieren, was Brasilianer leicht verunsichern und abschrecken kann.


Da ich seit vielen Jahren in Deutschland lebe und außerdem mit einem Deutschen verheiratet bin, durfte ich da einige Erfahrungen sammeln. Meinen brasilianischen Lesern biete ich heute eine Art Crashkurs für den Umgang mit der offenen, direkten Art der Deutschen:)

Erschrick dich nicht, wenn du von einem Deutschen ein klares Nein hörst: Die meisten Brasilianer tun sich sehr schwer damit, jemandem eine Absage zu erteilen. Não zu sagen wird von vielen als arrogant empfunden, weswegen man in Brasilien dieses Wörtchen kaum hört. Vielmehr gibt man ein talvez („vielleicht“) oder ein vamos ver („mal sehen“) als Antwort. Ich habe schon mal ausführlich hier auf dem Blog darüber berichtet.

Wenn du einem Deutschen die Frage Wie geht’s dir? stellst, könnte es sein, dass er sehr ausführlich erzählt, was ihn gerade beschäftigt… Oft ist es ja so, dass man jemanden mit Hallo, wie geht’s? begrüßt. Und nicht selten erwartet man eigentlich ein Gut danke, und dir? zurück… Auch da reagieren die Deutschen sehr genau und ehrlich, was an sich nichts Schlimmes ist. Problematisch ist nur, dass diese Frage in vielen anderen Kulturen fast nur eine Floskel ist…

Biete einem Deutschen nichts nur aus Höflichkeit an: Er könnte es schließlich annehmen:) Als mein Mann (er ist Deutscher) das erste Mal in Brasilien war, waren wir ein paar Tage zu Besuch bei Bekannten. Als die Gastgeberin mitbekommen hat, dass er eine bestimmte DVD aus ihrem Sortiment so toll fand, sagte sie: Du kannst sie gern haben… Ein Brasilianer würde sie niemals annehmen, vielmehr würde er sich bedanken und sagen, nein, nein, das ist nicht nötig, ich kaufe sie mir mal. Und was machte mein Liebster? Er hat natürlich Ja, gern. Vielen Dank gesagt, ist aufgestanden, hat die DVD genommen und sie in seinen Koffer gepackt. Und ich saß daneben und wäre am liebsten im Erdboden versunken (*grins*). Bis heute reden wir beide über diesen Vorfall und ich bekomme zu hören: Ich weiß nicht, was du hast. Sie hat mir die DVD angeboten und ich habe das Geschenk angenommen. Ohne große Umschweife. Ach ja, so unkompliziert kann man sein:)

Wenn man dir in Deutschland etwas anbietet, dann greif schnell zu, wenn du es haben möchtest: In vielen Kulturen ist es verpönt, gleich etwas anzunehmen. Der Gastgeber muss es ein zweites (oder vielleicht drittes Mal?) anbieten, bevor man sich traut, ja zu sagen. In Brasilien ist das keine Regel, aber ich würde schon sagen, dass die meisten darauf warten, bis man erneut fragt, ob sie etwas haben wollen… Hier könnte es dann zu einem Missverständnis zwischen Deutschen und Brasilianern kommen. Denn der Deutsche wird sich denken Na ja, wenn er nein gesagt hat, dann hat er wirklich keinen Hunger, während der Brasilianer daneben sitzt und sich wundert, dass der Gastgeber doch nicht nochmal fragt, ob er doch nicht ein bisschen von der Suppe haben will…

Die Deutschen sprechen Dinge gern direkt an: Weil die meisten Brasilianer Konfrontationen vermeiden, sprechen sie Dinge lieber indirekt an, und zwar in der Hoffnung, dass der Gesprächspartner die Message versteht. Wir haben sogar einen Ausdruck im Portugiesischen dafür, aber er lässt sich nicht ins Deutsche übersetzen…

Wenn ein Deutscher jemanden kritisiert, dann muss das nicht heißen, dass er diese Person nicht mag: Zugegeben, wir Brasilianer nehmen Kritik oft zu persönlich. Und was vielen von uns seltsam vorkommt, ist die Tatsache, dass man in Deutschland an einem Tag jemanden sehr offen und sehr direkt kritisiert (z.B. ein Nachbar, der klingelt, um sich über den Lärm zu beschweren), aber am nächsten Tag wieder „ganz normal“ miteinander umgeht, so nach dem Motto Wir haben es geklärt und das ist Schnee von gestern… Das finde ich bemerkenswert!

Natürlich bedeutet Ehrlichkeit bzw. eine gewisse Direktheit nicht, dass man seinen Mitmenschen Dinge ganz unüberlegt an den Kopf wirft. Man kann jemandem die Wahrheit auf eine diplomatische Art und Weise sagen. Wenn Brasilianer mir erzählen, dass sie in Deutschland schlechte Erfahrungen in diesem Punkt gemacht haben, dann ermutige ich sie darin, nicht alle über einen Kamm zu scheren. Schließlich gilt es überall auf der Welt Menschen, die nett sind, und die, die einfach kein Taktgefühl haben…

Ich bin offen für Kritik, was diesen Artikel angeht, sofern diese konstruktiv ist und respektvoll kommuniziert wird:) In diesem Sinne freue ich mich auf eure Kommentare!

Bis zum nächsten Mal
Rode
—————————
Blog: www.entre-duas-culturas.de
Facebook: https://www.facebook.com/entre.duas.culturas
Instagram: @entre_duas_culturas
Twitter: @entre2culturas

 

Veröffentlicht von Rode

Brasileira, residente na Alemanha, docente universitária, blogueira nas horas vagas e apaixonada por idiomas | Brasilianerin in Deutschland, Uni-Dozentin, Bloggerin und mit einer großen Leidenschaft für Sprachen

41 Kommentare

    • Super voce explicou tudo bem direitinho. O meu maridão é tipico alemão e sei bem o que é isto. Além disso já tenho algumas amigas alemães, em especial minha melhor amiga é alemã, imagine?? conheço bem tudo isto e estou ainda me adaptando depois de 8 anos morando na Alemanha. Bejos!!

  1. Olá, Rode! Parabéns pelo texto! Você descreveu muito bem o assunto! Um abraço!

  2. Olá Rode, esse é o primeiro texto que seu que leio, amei, moro na Alemanha a quase nove anos e é assim mesmo, no inicio me chocou, mas agora ate gosto, eles sao bem sinceros e podemos saber e confiar que estao dizendo a verdade, quando perguntamos para brasileiro: ta bonito minha roupa ou meu cabelo? muitos dizem que sim sem achar, com o alemao nao corremos este risco, gosto assim. Vou ler outro texto seu. Gostei e vou indicar essa leitura para amigos meus. Beijos

  3. Parabens, Rode. Tenho convivio com Alemães em diversas oportunidades e quando vou apresentar a outras pessoas, sempre enfatizo a esta maneira direta e concisa de ser deles. E tambem, a caracteristicas de não mesclarem humor com trabalho. Quando o assunto é sério, não tem piadinha como nós Brasileiros encaixamos algumas tiradas para descontrair. Na hora do vamos rir, também é com eles.
    Muito boa sua dissertação

  4. Estranho. Sou brasileiro, não descendo de alemães, mas prefiro me comunicar como eles. Acho que todo mundo devia ser direto.

  5. Nossa Rode totalmente me indentifiquei, conheci meu parceiro (Alemão) aqui no Brasil mesmo, certa vez na casa dele, me ofereceu algumas coisas que havia comprado para comer, naquele instante estava sem fome e recusei porém mais tarde não quis me servir por que ele não havia me oferecido mais e nem ofereceu haha Achei super estranho afinal aqui oferecemos coisas para as pessoas todo o instante!

  6. OI!
    Adorei o teu texto.
    Me ajudou a entender melhor um namorado holandês que tive: eu identifiquei muitos dos gestos/atitudes, ainda que de países diferentes.
    Parabéns!

  7. Uau, fiquei impressionado com o jeito dos alemães pelo oque você descreveu, sou igual . Quando me perguntam se estou bem em um comprimento ,normalmente eu do uma resposta sincera e a justifico, vou ao banheiro para assoar o nariz,sou sincero em tudo . As pessoas sempre me acham grosseiro ,mas depois de me conhecerem acabam gostando de mim hahaha.

  8. Bate bem certinho com as características dos descendentes de alemães que vivem aqui em Rio do Sul – SC

  9. Olá Rode,
    Sou alemã vivendo no Brasil há 11 anos (e criada em Portugal…). Me identifico muito com seus textos. Este aqui compartilhei para meus orientandos (sou professora universitária), colegas, vizinhos e amigos. Há raízes alemãs que permanecem, apesar de muito trabalho de adaptação ao longo dos anos. Costumo dizer aqui que o brasileiro tem o „sim-sim“, o sim-talvez“ e o „sim-não“ e com o tempo a gente aprende a distinguir melhor um do outro pela tonalidade, gestos e mímica adotados dependendo do caso. Mas confesso que no início ficava perdida e tive algumas decepções, quando a pessoa dizia que sim mas não fazia ao que havia concordado. Hoje quem sofre mais com isso é meu marido brasileiro que morou 15 anos na Europa e voltou recentemente… está em fase de readaptação kkk. E é assim, dançando entre as culturas, sempre. Um abraço!

    • Olá, Judith!
      Adorei ler seu comentário! Eh assim mesmo, a gente vai dançando e se encaixando:)
      Abs.*

  10. Olá, sou alemã e vivo no Brasil. E concordo com a observação que os brasileiros em geral se sentem ofendidos com críticos. E logo eu notei que eles se sentem questionados como pessoa se você critica uma atitude, um comentário etc. Dificil para lidar mesmo.
    Mas nunca eu percebi que eles hesitam a aceitar um presente ou outra oferta. „Vc quer/aceita tal …?“ „Quero.“
    E sim, os alemães conhecem várias respostas para a pergunta „tudo bem? Wie gehts?“ E falam na maioria a verdade sobre o estado deles. Mas muitas vezes acabam em chorar ou reclamar. Prefiro a resposta „to ótima“ :)

  11. Adorei o texto!!!
    No meu caso acho q tirei a sorte pq o meu alemão entende bastante os verdes que dou! É bem sarcástico tbm as vezes! Hahaha
    Acho q por ele ter morado um ano no EUA e outro na República Dominicana.

    • Que bom que você gostou, Camila!
      Olha, eu também acho que esses anos fora foram uma boa escola para o seu alemão entender seus verdes… O meu não entende, não… hehehe
      Tudo de bom*

  12. Os holandeses são muito mais difíceis 😊 . Quando trabalhava para uma empresa alemã, após as reuniões em Mettmann, meu diretor alemão dizia: nao se preocupe com ele (diretor holandês), está tudo bem… Em geral os alemães admiravam muito a flexibilidade brasileira para encontrar soluções. Grande experiência!

    • Interessante, Fabrício! Não sabia disso quanto aos holandeses…
      Com certeza, nossa flexibilidade é uma das nossas maiores qualidades!
      Abraços*

  13. Olá, Rode!

    Não sei se ainda lembras de mim. Sou o Girley, de Passau.
    Teu texto foi-me apresentado agora a pouco por um amigo daqui. Li tudo com muitíssimo gosto, pois a leitura estava interessantíssima e fiquei muito surpreso na hora em que vi de quem era a autoria.
    Parabéns e muito sucesso com o blog! Acabaste de ganhar mais um leitor seguidor!!!!

    Fortíssimo abraço,

    Girley

    • Oi, Girley!!!!
      Eh claro que me lembro de você(s)! Puxa, que leal você ter me achado aqui:)
      Continuamos em contato!
      Abraços*
      Rode

  14. Oi Rode!
    100% minha experiencia aqui! Otimo post!!! Eu fico de cara quando eles contam todos os detalhes de quando nao estao bem qd perguntamos „wie gehts“.. as vezes so falo hallo para aqueles que reclamam sempre da vida.. hahaha
    Beijoss

  15. Olá Rode, bom dia!
    Adorei seu artigo! Sou de descendência alemã (avós por parte de mãe e bisavós por parte de pai) e apesar de morar no Brasil, na nossa casa tivemos um contato muito presente com a cultura alemã. Muitas vezes tivemos momentos de choque entre as duas culturas, em que a crítica sobre a forma alemã de ser era muito grande o que nos desapontava muito. Por isso, fico feliz que apareçam pessoas como você, que é brasileira, para mostrar que ser alemão não é o bicho do outro mundo, é simplesmente uma forma diferente da nossa, e que tem também os seus encantos e seus valores.
    Um abraço,
    Siegrid

  16. Olá Rode, bom dia!
    Adorei seu artigo! Sou de descendência alemã e muitas vezes tive momentos de choque entre as duas culturas, em que a crítica sobre a forma alemã de ser era muito grande. Por isso, fico feliz que apareçam pessoas como você, para mostrar que os alemães também têm seus encantos e seus valores.
    Um abraço,
    Siegrid

Schreibe einen Kommentar

Pflichtfelder sind mit * markiert.